Por que foram Escritos quatro Evangelhos?

bible-open

Os cristãos muitas vezes se perguntam por que há quatro relatos da vida de Cristo registrados no Novo Testamento. A resposta básica é que os quatro evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João) nos contam a mesma história, mas de quatro pontos de vista diferentes e quatro públicos diferentes.

Deixe-me ilustrar esta ideia. Suponha que uma jovem família esteja parada em uma esquina e testemunhe um acidente automobilístico. O pai pode dizer a marca e o modelo dos dois carros envolvidos. A mãe pode dizer a cor e o número de ocupantes. O pequeno menino pode falar sobre o cachorrinho que foi quase atingido, enquanto sua irmãzinha só lhe falava sobre a boneca que foi jogada para fora do primeiro carro no momento do impacto. Agora, quem disse a verdade? Todos disseram a verdade, mas de diferentes pontos de vista.

Os escritores do evangelho nos contam a mesma história básica sobre a vida de Cristo. No entanto, enquanto um escritor pode enfatizar as parábolas de Jesus, outro escritor pode se concentrar na natureza e no caráter de nosso Senhor. Colocar os quatro relatos juntos nos dá um retrato mais completo e mais rico da vida e obra de Jesus, o Messias.

“Muitas vezes, em janelas de vitrais e similares, os escritores do evangelho são representados em símbolo pelas figuras dos quatro animais que o escritor do Apocalipse viu ao redor do trono (Apocalipse 4:7).

Os emblemas são distribuídos de diversas maneiras entre os escritores do evangelho , mas o comum é que o Homem representa Marcos, que é o mais simples, o mais direto e o mais humano dos evangelhos, o Leão representa Mateus, pois ele especialmente viu Jesus como o Messias e o Leão da tribo de Judá, o Boi representa Lucas, porque é o animal do serviço e do sacrifício, e Lucas viu Jesus como o grande servo dos homens e o sacrifício universal para toda a humanidade, a Águia representa João, porque é o único de todos os seres vivos que pode olhar direto para o sol, João tem o olhar mais penetrante de todos os escritores do Novo Testamento para os mistérios eternos e as verdades eternas e a própria mente de Deus. Muitas pessoas se aproximam de Deus e de Jesus através de João do que em qualquer outro livro do mundo “. (William Barclay, The Gospel Of John, p.1).

Evangelho de Mateus

Mateus era um judeu galileu e muitas vezes é referido como “Mateus o cobrador de impostos” (Mateus 10:2). É o consentimento unânime dos “pais da igreja”, como Ireneu, Eusébio e Jerônimo, que Mateus escreveu seu evangelho em hebraico e depois foi traduzido para o grego.

Embora Mateus não indique o propósito de seu livro como João (João 20:30-31), é óbvio até mesmo o leitor casual que ele escreveu para provar que em Jesus de Nazaré é encontrado o cumprimento de toda profecia messiânica. Alguns comentaram que o evangelho de Mateus foi escrito por um judeu, para falar de um judeu, para outros judeus – e este é certamente o caso.

Tente imaginar um grego que abre o evangelho de Mateus pela primeira vez. Dentro dos primeiros versos, ele lê da genealogia de Cristo. Entre os judeus, isso pareceria lógico e apropriado, mas para um grego teria sido ininteligível. Ele também lê de Jesus ser o Messias – um termo que nenhum grego teria podido compreender completamente. O argumento é que o evangelho de Mateus nunca foi destinado a um público grego.

Há mais de quarenta passagens do Antigo Testamento citadas em Mateus em conexão com os menores eventos da vida de Cristo. Mateus freqüentemente mencionava alguns detalhes menores na vida de Cristo e depois mostrava que o evento era um cumprimento da profecia.

Mateus explica que Cristo nasceu de uma virgem “para que se cumprisse o que foi falado pelo Senhor através do profeta” (Mateus 1:22, Isaías 7:14). Os principais sacerdotes disseram a Herodes que o Messias nasceria em Belém, “pois assim está escrito pelo profeta” (Mateus 2: 5; Miqueias 5: 2). Quando Herodes ordenou a matança dos filhos inocentes, foi visto como um cumprimento de “o que foi dito por Jeremias, o profeta” (Mateus 2:17, Os. 11:1). João Batista preparou o caminho para Jesus, “porque este é o que foi falado pelo profeta Isaías” (Mateus 3:3, Isaías 40:3).

A morte de Cristo na cruz do Calvário também era uma questão de profecia, e Mateus entra em detalhes para explicar esse fato. Cristo foi traído nas mãos do inimigo por trinta moedas de prata, como profetizado por Jeremias (Mateus 27:9-10, Jeremias 32: 6-9). Quando foi crucificado, os soldados “dividiram as suas vestes, lançando muitas coisas, para que se cumprisse o que foi dito pelo profeta (Mateus 27:35; Sl. 22:18). Até as suas palavras na cruz eram uma questão de profecia, pois, em agonia, ele citou as palavras do Salmo da Cruz: “Eli, Eli, lama sabachthani?” Isto é, Meu Deus, Meu Deus, por que você me abandonou? (Mateus 27:46; Salmo 22: 1).

O Evangelho de Marcos

O evangelho de Marcos foi escrito para um público romano. Se um verso pudesse refletir a mensagem do livro, seria isto: “Pois mesmo o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos” (Marcos 10:45).

No livro de Marcos Cristo é apresentado como o servo ideal. Ao contrário de Mateus, Marcos não nos da a genealogia de Cristo, pois a genealogia de um servo não é importante.

Como Marcos não estava escrevendo para uma audiência judaica, ele tinha que explicar os costumes e rituais judaicos para seus leitores.

Mateus nos fala da pergunta que os escribas e fariseus tiveram sobre o fato de os discípulos de Jesus “não lavar as mãos quando comem pão” (Mt. 15: 1-11). Quando Marcos conta a mesma história, ele tem que explicar que a lavagem das mãos era uma limpeza cerimonial, e não a lavagem da sujeira do corpo. “Pois os fariseus e todos os judeus não comem, a menos que eles lavem suas mãos de maneira especial, mantendo a tradição dos anciãos. Quando eles vêm do mercado, eles não comem a menos que se lava. E há muitas outras coisas que eles receberam e guardaram, como a lavagem de copos, jarros, vasos de cobre e sofás”. (Marcos 7:3-4).

Quando Jesus previu a destruição do Templo, Marcos nos diz que Jesus “se sentou no Monte das Oliveiras em frente ao templo” (Marcos 13:3). Todo judeu sabia que o Monte das Oliveiras era “oposto ao templo”, mas os leitores romanos não teriam ideia da sua localização.

Marcos também teve que explicar que o dia dos Pães ázimos era “quando eles matavam o cordeiro da Páscoa”, algo que todo judeu teria conhecido desde o nascimento, mas sobre o qual um romano não teria conhecimento.

O Evangelho de Lucas

Lucas tem a distinção de ser o único escritor gentio na Bíblia. Ele é referido por Paulo como “Lucas, o amado médico” (Col. 4:14).

Há quem diga que os pregadores geralmente vêem os homens no melhor dos casos, os advogados vêem os homens no pior dos casos, e os médicos vêem os homens como realmente são.

Lucas estabelece a humanidade do Filho do Homem e apresenta em ordem cronológica a vida de Cristo. Como médico, ele é mais exigente em seu uso da linguagem. Quando ele se refere a um leproso, ele usa o termo médico exato para descrever a condição, ou seja, “cheio de lepra” (Lucas 5:12).

Em Marcos 3:1 lemos sobre o homem com a mão seca que Jesus curou no sábado – Lucas acrescenta que era a mão direita que estava seca, algo que um médico observaria (Lucas 6:6). É também o médico que observa que, no Jardim, o “suor” de nosso Senhor se tornou como grandes gotas de sangue que caíram no chão “(Lucas 22:44).

“Um exemplo do cuidado de Lucas é a forma como ele data o surgimento de João Batista. Ele faz isso citando seis encontros contemporâneos.

E no ano quinze do império de Tibério César (1), sendo Pôncio Pilatos presidente da Judéia (2), e Herodes tetrarca da Galiléia (3), e seu irmão Filipe tetrarca da Ituréia e da província de Traconites (4), e Lisânias tetrarca de Abilene (5), Sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes (6), veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias. Lucas 3:1,2

Aqui está um homem que está escrevendo com cuidado e será tão preciso quanto possível para ele ser”. (William Barclay, The Gospel Of Luke, p.3).

O Evangelho de João

Ao contrário dos outros escritores, João claramente afirma o propósito de seu livro. Depois de descrever a aparição de Cristo a Tomé e ao resto dos apóstolos, João escreve: “Jesus, pois, operou também em presença de seus discípulos muitos outros sinais, que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome.” João 20:30,31.

Todo o propósito do evangelho de João era provar a Deidade de Jesus Cristo. Em vez de dar a genealogia de Cristo, João volta à eternidade para nos dizer que: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. João 1:1-4”.

“A humanidade de Jesus Cristo é genuína, como João deixa claro, mas não é uma vida humana comum que João revela. É a de quem antes de Sua encarnação existia com Deus, como Deus mesmo (Jo 1:1,14), e quem veio à terra para revelar o Pai aos homens … Se desejamos conhecer Deus, olhe para Jesus quem o revelou na forma corporal pessoal, na personalidade humana, na combinação real ou na união de Deus com o homem ” (Robertson, Epochs in the Life of the Apostle John, pp. 167, 172).

Eu sempre fiquei impressionado com os termos descritivos que João usa para Cristo no primeiro capítulo de seu livro. Não só Ele era “a Palavra” que “se tornou carne” (João 1:14), mas Ele é “O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (João 1:29). Ele também é descrito como “o Filho de Deus”, “o Messias” e “Jesus de Nazaré, filho de José” (João 1:29, 34, 45). Nataniel se refere a ele como “Rabino”, “Filho de Deus” e “Rei de Israel” (João 1:49). Jesus termina o capítulo ao se referir a si mesmo como “o Filho do Homem” (João 1:51).

Os quatro evangelhos nos dão um maravilhoso vislumbre da vida do Filho de Deus que morreu por nós!

Fonte: Bíblia Comentada

You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe o seu comentário, ele será bem-vindo

Powered by WordPress | Designed by: Premium WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Bromoney and Wordpress Themes