Arquidiocese adota ideologia de gênero em suas diretrizes pastorais

2279_domwalmor01_dest

Cartilha com ações pastorais fala sobre acompanhamento de público LGBT.  A Arquidiocese de Belo Horizonte lançou uma cartilha sobre família que está gerando polêmica e até mesmo revolta entre os católicos brasileiros. O livreto do “Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra”, mostra como as teses sobre a ideologia de gênero deveriam ser abordadas quando se fala sobre família hoje em dia.

O material relativiza a compreensão da família como instituição, sugerindo que as pessoas podem ter “identidades sexuais” diferentes daquelas com as quais nasceram. Essas diretrizes pastorais fazem parte de um planejamento das atividades entre 2017 e 2020.

Com 31 páginas, o texto apresenta as dez “prioridades pastorais” que deveriam ser desenvolvidas dentro do trabalho da Arquidiocese. Nas duas páginas que falam sobre o compromisso da igreja com as famílias (18 e 19), dois parágrafos trazem afirmações relacionadas com os preceitos da ideologia de gênero. Ele pode ser lido na íntegra aqui

pagina-18-e-19

 

Trecho da cartilha.

Em um dos parágrafos lê-se: “O matrimônio, no qual mulher e homem procuram, segundo a graça de Deus, corresponder ao mais profundo de sua vocação, tem valor para a Igreja e para a sociedade, e não restringe a compreensão da existência de outras configurações familiares, oriundas de situações sociais, culturais, econômicas e religiosas diversas. Então, se compreende que a família é a união das pessoas na consciência do amor, cuja força reside essencialmente em sua capacidade de amar e ensinar a amar”.

Embora o Vaticano já tenha declarado que a teoria de gênero é uma “colonização ideológica” de grupos poderosos que promove rebeldia, pois “aniquila a ideia do homem como imagem de Deus”. Mesmo assim, a Arquidiocese de Belo Horizonte resiste em definir família tradicional apenas como a união entre homem e mulher.

Em outro trecho, o livreto traz a declaração explícita: “ponha-se atenção para que, nesse mesmo horizonte, sejam acompanhadas as pessoas em suas diferentes identidades sexuais (gays, transexuais, lésbicas, travestis, transgêneros e bissexuais)”.

Apresentado pelo arcebispo de Belo Horizonte, Monsenhor Walmor Oliveira de Azevedo, todo o material refere-se ao que seria a motivação final: “proclamar a Palavra de Deus”. Contudo, não usa em nenhum momento a palavra “arrependimento”, elemento essencial da pregação dos apóstolos no primeiro século.

Com informações Sensus Fidei

Arquidiocese pede direito de resposta em matéria sobre livreto

Campanha afirma não “julgar” LGBTs e ignora mandamento bíblico.

A Arquidiocese de Belo Horizonte solicitou direito de resposta após a matéria do portal Gospel Prime sobre como a instituição católica defende a ideologia de gênero em material para evangelização.

Pautado pela ética e transparência, o portal concede o espaço, mas não sem antes destacar que não houve qualquer tipo de manipulação nas informações, tendo, inclusive, reproduzido na íntegra o parágrafo 5b, da página 19 da cartilha, que fala sobre “diversas configurações” de família.

A última linha diz claramente ‘Nesse mesmo horizonte [família], sejam acompanhadas as pessoas em suas diferentes identidades sexuais (gays, transexuais, lésbicas, travestis, transgêneros e bissexuais).

As críticas ao material sancionado por Dom Walmor O. de Azevedo, estão presentes em vários sites católicos como o iCatólica, a Sensus Fidei, e repercutido fora do país, no site espanhol InfoCatólica. Portanto, não se trata de uma visão ‘evangélica’ da questão.

No entendimento do portal Gospel Prime, ainda que os cidadãos LGBT não mereçam discriminação pela sua opção sexual, o conceito de família a ser seguido deve ser o explicitado na Bíblia (homem e mulher). O linguajar “politicamente correto” da Arquidiocese na página 18, tenta mostrar que família é a união das pessoas na consciência do amor”. Esse argumento é muito similar ao usado por militantes LGBT na sua defesa da “ideologia de gênero”.

Ainda que o Supremo Tribunal Federal tenha legalizado a união civil de pessoas do mesmo sexo – no chamado casamento gay – esse entendimento, embora socialmente aceitável, não se sobrepõe à verdade das Escrituras.

Sendo assim, colocar gays, transexuais, lésbicas, travestis, transgêneros e bissexuais no mesmo “horizonte” que a família é um contrassenso. Para que a Arquidiocese possa fazer jus ao nome do seu Projeto de Evangelização, ela precisa “Proclamar a Palavra” em sua inteireza.

Em nenhum momento o material, que trata de evangelização, chama essas pessoas ao arrependimento, mandamento que anda lado a lado com a crença no evangelho (cf. Marcos 1:15). Logo, mesmo afirmando que não “exclui nem julga”, o material elaborado pela Arquidiocese ignora a revelação de textos como Levítico 20:13, Romanos 1:26-27, 1 Coríntios 6:9-10, Hebreus 13:4 entre outros.

Leia a Nota na íntegra:

Solicitamos o direito de responder a matéria que acusa a Arquidiocese de BH a defender a ideologia de gênero.  Por favor, publique a nossa nota:

A Arquidiocese de Belo Horizonte esclarece que as informações publicadas na reportagem não condizem com as orientações do Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra. Os trechos destacados estão descontextualizados, interpretados de modo a não traduzir o que realmente estabelece o Projeto de Evangelização.

Em comunhão com a Igreja, a Arquidiocese de Belo Horizonte partilha a convicção de que o Matrimônio é a união entre homem e mulher, a exemplo da Sagrada Família de Nazaré. Ao mesmo tempo, conforme orienta o Papa Francisco, busca acolher e acompanhar, sem exclusões e julgamentos, dando testemunho da misericórdia de Deus, que a todos alcança.

Nesse sentido, a Arquidiocese de Belo Horizonte lamenta não ter sido procurada pelos responsáveis pela elaboração dessa reportagem para os devidos esclarecimentos. Coloca-se à disposição para apresentar, de modo devidamente contextualizado, o Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra, fruto de atenta escuta das muitas comunidades de fé, em sintonia com os desafios do mundo contemporâneo.

Alguns artigos de dom Walmor que contestam a chamada ideologia de gênero:
Educação em pauta  http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=10884
Família, tocha acesa http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=11773
 Princípios e ideologias http://www.arquidiocesebh.org.br/site/artigoArcebispo.php?id_artigoArcebispo=10834

Conselho Arquidiocesano de Pastoral reflete Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra

O Conselho Arquidiocesano de Pastoral da Arquidiocese de Belo Horizonte se reuniu neste dia 10, conforme previsto em seu calendário de atividades, dois dias após a apresentação oficial do Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra.  O Conselho tem a tarefa de nortear, aplicar e avaliar as Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese. Neste sábado, dia da primeira reunião ordinária, os conselheiros retomaram o conjunto de dez eixos que vão inspirar a elaboração dos planos de pastoral para a vivência da fé nas comunidades eclesiais, no horizonte inspirador de sempre Proclamar a Palavra de Deus.

Com entusiasmo missionário, os integrantes do Conselho avaliaram que  a Arquidiocese de Belo Horizonte, a partir dos frutos da 5ª Assembleia do Povo de Deus (5ª APD), busca ser cada vez mais misericordiosa, “em saída, corajosamente debruçando-se sobre a humanidade sofredora, como servidora.” Nesse sentido, conforme avaliação dos conselheiros, a Arquidiocese mantém-se comprometida com a família cristã, “célula vital da Igreja e da sociedade, no horizonte dos ensinamentos doutrinais da Igreja Católica, abominando a ideologia de gênero e tudo o que desvirtua o plano e o querer de Deus para seus filhos e filhas”. O que se assume, conforme bem observa o Conselho, é enfrentar as vicissitudes que desafiam a condição humana, contribuindo para que todas as pessoas tenham a oportunidade de reencontrar e seguir Jesus Cristo, “na permanente tarefa de reconquistar a inteireza da dignidade humana, razão porque o Verbo se fez carne para nos salvar”.

Os conselheiros estão convictos de que a Arquidiocese precisa ser uma “Igreja hospital de campanha”, conforme palavras do Papa Francisco, mantendo-se sempre fiel às verdades da fé. O Conselho Arquidiocesano de Pastoral convoca todos os cristãos católicos a assumirem mais decisivamente essa missão evangelizadora, nos passos indicados em torno dos dez eixos presentes no Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra. “Esses dez pontos devem nortear planejamentos e ações, refletindo comprovada fidelidade da Arquidiocese de Belo Horizonte a Jesus Cristo, Mestre e Senhor, que nos chama e envia para tudo realizar com amor e fidelidade misericordiosa”, orienta o Conselho.

Dom Walmor, durante apresentação do Projeto de Evangelização Proclamar a Palavra, destaca a vocação de homem e mulher na família.

52

You can leave a response, or trackback from your own site.

One Response to “Arquidiocese adota ideologia de gênero em suas diretrizes pastorais”

  1. He leido vuestro articulo con mucha atecion y me ha parecido ameno ademas de bien redactado. No dejeis de cuidar esta web es bueno.
    Saludos

Deixe o seu comentário, ele será bem-vindo

Powered by WordPress | Designed by: Premium WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Bromoney and Wordpress Themes