Suicídios entre transgêneros: uma tragédia silenciosa

maxresdefault

Cirurgias e hormônios têm se mostrado ineficazes: mesmo após inúmeras mutilações, terapias e litros de hormônios, grande parte dessas pessoas decidem acabar com a própria vida!

A epidemia de suicídios transgêneros: forçar uma pessoa a mudar seu corpo para aceitar sua condição contrária a sua biologia tem mesmo sido a grande tragédia silenciosa dos nossos dias.

No dia 18 agosto de 2015 foi publicado um  estudo que chocou a comunidade LGBTTS em todo mundo, mas que no Brasil poucos tiveram interesse em divulgar e/ou traduzir. O estudo diz que “pessoas que sofrem de ‘confusão de gênero’ são estimulados pela cultura atual para ‘serem eles mesmos’, que significa rejeitar o sexo com que nasceram e partirem para uma cirurgia reparativa”. Ou seja, transformar de forma artificial seu corpo à base de hormônios e de cirurgias que são verdadeiras mutilações.

O estudo mostrou que apesar dos esforços sociais para fazer com que o trasnsexual se aceite conforme se “sente”, conforme se “tornou” – apesar da sociedade o aceitar -, está havendo uma epidemia de depressão e suicídios ignorados pela sociedade e pelas áreas de saúde mental e militância do gênero.

Segue abaixo a tradução na íntegra do estudo feito pela Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio e do Instituto Williams, divulgado por Fr. Mark Hodges (LifeSiteNews).

Nos Estados Unidos, como em qualquer país de apoio à ideologia de gênero “Transgênero”, adolescentes são ensinados que o que eles “sentem” é quem eles são e que, para ser feliz e realizado, devem se “tornar” o sexo oposto. Quando Bruce Jenner decidiu se olhar publicamente como uma mulher, ele foi apoiado pela mídia de massa. Até mesmo o presidente dos Estados Unidos, quando Jenner decidiu fazer a cirurgia de castração, aplaudiu-o como uma heroína “corajosa”.

Mas os estudos mostram repetidamente que as pessoas “transgêneros”, que buscam tratamento hormonal e cirurgias para se tornar do sexo oposto, tornam se, na verdade, segundo pesquisas da Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio e do Instituto Williams, pessoas infelizes e não realizadas. Na verdade, explica o estudo, há uma guerra interna entre a vida e a morte, o que está se estabelecendo dentro desse sujeito, continuamente, é uma luta interior levando-o à depressão severa a ponto de muitos quererem acabar com sua própria vida.

Isso é o que a Fundação Americana para a Prevenção do Suicídio e do Instituto Williams encontrou quando analisou os resultados da Pesquisa Nacional de Discriminação Transgênero. O número de tentativas de suicídio é desolador, assustador, e não depende da aceitação do outro, e sim de si mesmo.

Mais de 41% das pessoas “transgêneros” ativas tentam se matar. Isso é dez vezes a taxa de tentativa de suicídio (4,6%) da média.

E este estudo não é a única prova de que aqueles que procuram viver como se fossem do sexo oposto estão de fato, se matando. Mais de uma dúzia de outros inquéritos em todo o mundo têm encontrado os mesmos assustadoramente altas taxas de suicídio.

Uma pesquisa nacional com mais de 6.500 pessoas trans perguntou: “Você já tentou se suicidar?”. 41% respondeu: “Sim”.

Os sintomas cometidos por pessoas que tentam mudar seu gênero e/ou sexo são: “níveis cronicamente elevados de estresse”, “ansiedade”, e “depressão” são os mais comumente relatados entre pessoas trans ativas. Automutilação por corte é muitas vezes relatado como algo que faz bem, alivia as dores emocionais.

Uma hotline de suicídio dedicada a eles, Lifeline Trans, movimentou mais de 20 mil chamadas em seus primeiros nove meses de operação. Greta Gustava Martela, uma lésbica que fundou o serviço, resume: “Com 41% tentativa de suicídio, você tem que assumir que algo não está apenas dando certo para as pessoas transexuais”.

Os estudos questionam a mídia, que tenta deslocar as altas taxas de suicídio das pessoas transgenero para influências externas, tais como companheiros e rejeição dos pais, mas não consideram a trágica batalha interna, os grandes conflitos internos pelos quais passa uma pessoa transgênero, como o conflito psicológico, uma dicotomia psicológica que passa fazer parte de sua vida.

Os fatos falam o contrário. A Aggressive Facility Intelligence Research da Universidade de Birmingham (ARIF) fez uma revisão médica que descobriu que não há nenhuma evidência conclusiva de que operações de mudança de sexo melhore significativamente a vida dos transexuais. Na verdade, muitos transexuais continuam gravemente angustiados e potenciais suicidas após a operação.

Anúncio

Chris Hyde, diretor da ARIF, explicou: “Um grande número de pessoas que optam pela cirurgia [de mudança de sexo] permanece traumatizada – muitas vezes ao ponto de cometer suicídio”.

O estudo CONDENA os esforços sociais e midiáticos, que simplesmente ignoram os graves riscos da fase posterior às mudanças sexuais adaptativas e tornam essa pessoa trans um suicida. Questiona e condena os movimentos militantes que induzem até mesmo crianças em escolas do Ensino Fundamental que as pessoas transexuais estão concretizando seus “verdadeiros” “Eus”, o seu Eu Verdadeiro.

Como Stella Morabito, do The Federalist, escreve: “Os transexuais não têm permissão para falar sobre o seu arrependimento. Não Abertamente. O lobby transgênero suprime a discussão sobre o arrependimento da mudança de sexo”.

Tarde demais

Alguns pacientes transexuais têm dito que eles perceberam, tarde demais, que as operações de mudança de sexo não fazem jus à sua promessa. Alan Finch explica: “Você não pode mudar fundamentalmente o sexo. A cirurgia não altera geneticamente você. É uma mutilação genital […] Foi tudo uma terrível desgraça […] A analogia que eu faço sobre a opção de cirurgia para alguém desesperado por mudar de sexo é que seria um pouco como oferecer uma lipoaspiração para uma anoréxica”.

O campeão de tênis Renée Richards, que passou de macho para “fêmea” nos anos 70, escreveu: “Eu teria me dado melhor ficando do jeito que eu era […] Uma pessoa totalmente intacta… Eu não quero que ninguém tenha-me como um exemplo a seguir […] Eu recebo um monte de cartas de pessoas que estão pensando em ter esta operação, e eu desencorajo a todos”.

Infelizmente, muitos ativistas pró teoria Queer, de desconstrução sexual, de apologia ao gênero trans, e muitos deputados que promovem através de projetos no Brasil, as cirurgias de mudança de sexo, ainda quando crianças, são irresponsáveis ou ignoram que estão levando essas pessoas em conflito direto a morte.

Como psicóloga, concordo com este estudo e peço aos profissionais de bem, que lutem em favor do direito dessa pessoa humana em conflito, não sr empurrada por militância ativista da ideologia de gênero a mutilarem seus corpos. Elas estão sendo cobaias sociais.

Meu repúdio a essa tentativa no Brasil, se normatizar a ideologia de gênero sem o minimo cuidado com a verdadeira essência do ser humano, que tem sido empurrado pela reorientação cultural, a assumir uma condição a través de uma mutilação, que deixa sequelas irreversíveis no corpo e na alma a ponto segundo estudos de levá-lo a desistir de sua vida.

Chega de manipulação a sociedade brasileira não   pode ser usada como cobaia, posso ser recriminada pela sociedade ativista de gênero, ou até mesmo pelo conselho de psicologia, mas não posso em frutar de dizer a verdade, e mostrar a minha preocupação com essa imposição de gêneros que está adoecendo nossa sociedade.

Fonte: https://www.lifesitenews.com/news/gender-confused-suicide-rate-ten-times-national-average

Por Marisa Lobo

Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora, pós-graduada em saúde mental, conferencista realiza palestras pelo Brasil sobre prevenção e enfrentamento ás drogas, e toda forma de bullying, transtornos psicológicos, sexualidade da família, entre outros assuntos. Teóloga, ela é promoter e organizadora da ExpoCristo realizada no Paraná. Marisa é casada, tem dois filhos e congrega na IBB em Curitiba.

You can leave a response, or trackback from your own site.

Deixe o seu comentário, ele será bem-vindo

Powered by WordPress | Designed by: Premium WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Bromoney and Wordpress Themes