As mulheres na Bíblia (A mulher pecadora que beijou os pés de Jesus)

A mulher pecadora

O evangelista Lucas, que era um gentio, isto é, um NÃO-judeu, ao registrar as palavras e as obras de Cristo Jesus demonstrou uma sensibilidade especial em relação às mulheres com as quais Ele manteve contato!
Lucas, por exemplo, registrou 5 acontecimentos que envolvem mulheres que NÃO são mencionados nos outros 3 evangelhos! Na cultura judaica do século 1º, as mulheres eram, geralmente, tratadas como cidadãs de segunda classe, tendo apenas alguns POUCOS direitos que os homens tinham, MAS Jesus ultrapassou essas barreiras e Lucas mostrou o cuidado especial que o Senhor tinha com as mulheres! O texto bíblico de Lucas 7:36 a 50 nos remete a um dos 5 episódios envolvendo mulheres, no qual Jesus Cristo falou com uma mulher e a salvou!
Lucas se refere à mulher ANÔNIMA do texto simplesmente como “certa mulher daquela cidade, uma ‘pecadora'” (versos 37 e 39)!

A narrativa NÃO diz que espécie de ‘pecadora’ a mulher era!
Uma ‘pecadora’, naquela época, podia ser:

1 – uma criminosa;

2 – uma mulher ritualmente impura;

3 – uma mulher moralmente má;

4 – uma prostituta; ou

5 – simplesmente, a ‘esposa de um pecador notório’!

De qualquer modo, ela era uma mulher de má fama, era uma ‘pecadora’ pública, aparentemente conhecida na cidade inteira, já que Simão a reconheceu como tal e os PRESUNÇOSOS fariseus desprezavam essas mundanas, como afirma o verso 39!
A mulher, que NÃO havia sido convidada para aquele jantar, irrompeu em meio à refeição! Ela era CORAJOSA pois NENHUMA mulher de boa conduta entraria numa reunião como aquela, na casa de um fariseu proeminente e sem ser convidada!
MAS, embora sabendo TUDO quanto se murmurava a seu respeito, a mulher entrou, resoluta, na casa, em meio àquela ceia só de homens, e se lançou aos pés de Jesus!

As atitudes da mulher pecadora (Lucas 7:36 a 50), em relação a Jesus, pareceram MUITO impróprias, pois ela colocou-se atrás de Jesus, perto dos Seus pés, ajoelhou-se aos pés d’Ele e começou a chorar; as suas lágrimas quentes caíram, uma a uma, sobre os pés de Jesus, banhando-os; ela soltou os seus longos cabelos (um ato que, naquela época, era considerado vergonhoso, quando era realizado em público) e, com eles, enxugou os pés sujos d’Ele; ela cobriu de beijos os pés de Jesus, retirou um frasco feito de alabastro que trazia pendurado no pescoço e que, certamente, representava TODAS as suas economias e, ao mesmo tempo em que beijava os pés d’Ele, derramou um precioso unguento perfumado neles, ungindo-os!
E o anfitrião, o fariseu Simão (NÃO a “pecadora”), que tinha convidado Jesus para jantar em sua casa, com o intuito, talvez, de apanhá-Lo num ardil, censurou-O, no seu íntimo, e questionou a integridade e a autoridade do ‘Profeta’, por Este permitir que uma mulher de tão má reputação O TOCASSE e, assim, O expusesse à vergonha!
Porque Simão, o fariseu, NÃO disse ‘Se este homem fosse, de fato, profeta, saberia quem É ESTA MULHER e a vida de pecado que ela leva’! O que ele (NÃO a “pecadora”) disse foi:

“Se este homem fosse, de fato, profeta, saberia quem N’ELE ESTÁ TOCANDO e a vida de pecado que ela leva”, destacando, assim, o aspecto do contato físico que a mulher manteve com Jesus!
É como se o fariseu (NÃO a “pecadora”) pensasse assim:

‘Um homem que se deixa TOCAR por uma mulher, e por uma mulher como essa, como pode ser um profeta?’!
Dessa forma, Simão (NÃO a pecadora) demonstrou duvidar da Pessoa de Jesus, MAS, enquanto os fariseus (NÃO a “pecadora”) se preocupavam apenas com as aparências, Jesus via o coração CONTRITO, solitário e triste daquela mulher, um coração AMOROSO que honrava a Cristo como Senhor e que buscava o perdão para uma vida de pecado!

Para surpresa de TODOS os homens ali presentes, Jesus DEFENDEU a mulher pecadora (Lucas 7:36 a 50), ressaltando que, enquanto o fariseu Simão (NÃO a “pecadora”), um líder religioso, NÃO lhe tinha dado água para lavar os Seus pés, NÃO O tinha saudado com um beijo e NÃO tinha ungido a Sua cabeça com óleo – e esses eram 3 gestos MÍNIMOS de hospitalidade -, a ‘pecadora’, HUMILDEMENTE e de GRAÇA, tinha dado a Cristo TODA a CORTESIA devida a um convidado!
Simão (NÃO a “pecadora”), um cumpridor da Lei mosaica e um zeloso observador da tradição judaica, NÃO tinha cumprido sequer com o que exigiam as boas maneiras da época, infringindo, assim, várias regras de etiqueta!
Pois o fariseu (NÃO a “pecadora”) NÃO tinha derramado água sobre os pés do Senhor, para lavá-los (uma cortesia estendida aos convidados, porque os pés de quem vinha de uma caminhada com sandálias ficavam MUITO sujos), NÃO tinha dado a Jesus o beijo da paz, que era um beijo de saudação, e NÃO tinha ungido a cabeça do Mestre com óleo ou azeite!
É bem possível que Simão (NÃO a “pecadora”) tenha pensado que era BOM DEMAIS para tratar Jesus como alguém igual a ele! MAS a mulher foi GENEROSA: lavou os pés do Senhor com suas lágrimas e os secou com os seus cabelos, NÃO cessou de beijar os pés de Jesus, saudando, desta forma, o seu Salvador, e ungiu os pés do Mestre, derramando sobre eles um perfume, extremamente caro!
O ato da mulher pecadora foi um ato de ADORAÇÃO!

Nos gestos dela, NÃO podemos deixar de salientar que, em TODA a Bíblia Sagrada, ela é a ÚNICA mulher a respeito de quem se fala que beijou Jesus!
Que ação mais SIGNIFICATIVA! A ÚNICA mulher, em TODA a Bíblia, que cobriu o Senhor de beijos foi, justamente, uma “pecadora”! SIM, foi uma mulher, e uma mulher “pecadora”, quem demonstrou MUITO amor por Jesus!

É uma “pecadora” (Lucas 7:36 a 50) a mulher que detém o privilégio de ser a ÚNICA a respeito de quem as Sagradas Escrituras judaico-cristãs relatam que beijou Jesus!
E esse gesto de beijar Jesus assume ainda MAIOR destaque, se tivermos presente que, nos 4 evangelhos, além desses beijos da “pecadora” em Seus pés, o único outro beijo que o Senhor recebeu foi o ‘beijo da traição’, dado por um HOMEM, Judas Iscariotes, no momento em que Ele foi entregue para ser julgado, condenado e morto!
Quanta OUSADIA foi evidenciada por aquela mulher “pecadora”, que foi capaz de superar os convencionalismos e o ‘o que irão dizer?’! E quanta compreensão, na atitude de Jesus, que NÃO a interrompeu, em momento NENHUM, apesar das murmurações dos fariseus e dos outros convidados!
A “pecadora” fez MUITO MAIS do que, mera e simplesmente, cumprir com as formalidades! Ela executou gestos originais, nascidos de seu coração, rompendo TODAS as regras sociais e convencionais da época!
A mulher “pecadora” superou a vergonha e o ‘o que poderiam dizer’, opondo-se, com as suas ações, a TODA uma sociedade (representada, naquele jantar, pelos fariseus e os outros convidados) que fazia dela uma marginalizada!
As atitudes da “pecadora” nos falam da profunda HUMILDADE com que ela se aproximou do Mestre! Com certeza, ela própria percebia que estava fazendo algo inesperado!
Aquela mulher expressou a sua adesão a Jesus, inclusive através de uma fé que se transformou em contato corporal, pessoal e vivo! E, como a prática do Senhor ‘subvertia’ os valores vigentes naquela sociedade, pois ‘os últimos se tornavam os primeiros’, ela, que, na vida social e religiosa, estava entre os últimos, tornou-se ‘primeira’ e recobrou a dignidade humana!

Na plasticidade de Seu discurso e de Sua prática, Jesus honrou a mulher “pecadora” (Lucas 7:36 a 50) que O ungiu, reconhecendo-O como Senhor! Ele permitiu que aquela mulher O tocasse e O ungisse!
MAS, como a “pecadora” conseguiu conquistar um lugar próprio, num mundo de homens??? Com VALENTIA e com a expressão de um AMOR que brota do profundo do coração, um amor genuíno!
Aquela “pecadora” pública, leva-nos a pensar:

“Por que, justamente ela, foi capaz de um amor e de uma fé tão grandes? E por que a Bíblia conserva num lugar tão privilegiado aquela que, ordinariamente, NÃO seria levada em consideração ‘para as coisas santas’?
A resposta é que a mulher “pecadora” fez algo que os fariseus, representantes da religião oficial daquela época, NÃO souberam fazer: ela ‘NÃO se submeteu ao molde’ e arriscou algo MAIS, ao se tornar a ÚNICA mulher a respeito de quem se conta que beijou Jesus!
Da mesma forma que a “pecadora”, que teve a coragem de expressar, com gestos, seu amor ao Senhor, PRECISAMOS CAMINHAR JUNTOS, homens e mulheres, na construção de um mundo novo!
E, no resgate de histórias e de enunciados bíblicos libertadores, como o da mulher samaritana de Sicar (a primeira evangelista-missionária) e o da “pecadora” na casa do fariseu Simão, percebemos que o diferente é NÃO apenas possível, MAS é também viável e vivenciável!
Jesus, o Homem identificado com as mulheres, ensinou e pregou um discipulado de IGUAIS! E isso, nos dias de hoje, AINDA PRECISA SER REDESCOBERTO E REALIZADO POR HOMENS E MULHERES!
Essa visão do Mestre FORTALECE as mulheres para CAMINHAREM DE CABEÇA ERGUIDA, libertas da tripla violência do machismo-sexismo, do preconceito social e do preconceito religioso!!!

 

Para ler o artigo de introdução a “Mulheres na Bíblia” acesse:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1266

Para ler o estudo de cada mulher da Bíblia, click nos links abaixo:

– A samaritana de Sicar, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1273

– A senhora eleita, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1276

– Áfia de Colossos, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1279

– Febe de Cencreia, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1282

– Júnia de Roma, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1285

– Lídia de Tiatira, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1288

– Maria de Betânia, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1293

– Maria de Jerusalém, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1296

– Maria de Nazaré, acese: http://robertodedeus.com/portal/?p=1299

– Maria Madalena, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1302

– Marta de Betânia, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1305

– Priscila do ponto,acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1308

-Tabita de Jope, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1311

– Maria, Pérside, Trifona e Trifosa, de Roma, acesse: http://robertodedeus.com/portal/?p=1314

– Joana:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1542

– A mulher Sirio-Fenícia:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1545

– A sogra de Pedro:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1548

– Mulher Hemorroíssa:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1552

– Tecla:  http://robertodedeus.com/portal/?p=1555

 

Texto de Vera M. S. Mattos

Ela é bacharel e licenciada em Língua Portuguesa e Literatura da Língua Portuguesa, pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Estado da Guanabara (atual Universidade do Estado do Rio de Janeiro). É bacharel e mestre em Teologia (com ênfase na área bíblico-exegética do Novo Testamento), pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro/RJ, e doutora em Teologia Eclesiástica (com especialidade em Divindade), pelo Seminário Internacional de Teologia, em Ituiutaba/MG.

Agradeço a Vera M.S. Mattos (Autora) e Cristiane Benavides do “God’s Army” (Facebook) por permitir a publicação dos estudos.

 

You can leave a response, or trackback from your own site.

One Response to “As mulheres na Bíblia (A mulher pecadora que beijou os pés de Jesus)”

  1. Débora disse:

    Olá,

    Gostei muito do texto, gostaria de saber quais os outros 3 casos de mulheres que só aparecem no Evangelho de Lucas. Você poderia me dizer?

Deixe o seu comentário, ele será bem-vindo

Powered by WordPress | Designed by: Premium WordPress Themes | Thanks to Themes Gallery, Bromoney and Wordpress Themes